sábado, 31 de agosto de 2013

O PODER DO ESPÍRITO SANTO!





 Muitos não compreendem, mas,  existe um poder a disposição da Igreja, sendo este o mesmo  poder que conduziu os personagens bíblicos, que os motivou em cada batalha e que sempre conduziu a Igreja a vitória. Esse poder, é o mesmo que no dia de Pentecostes, veio sobre os quase 120 discipulos no cenáculo e que impulsionou a Igreja primitiva e deu forças a cada cristão para suportar as perseguições e aflições tão comum naqueles dias. Esse poder, embora secreto para alguns, é mais real do que imaginamos, pois envolve não apenas um seleto grupo de pessoas, mas todo aquele que tiver sede e fome da presença de Deus! Em suma, este poder é  a unção do Espírito Santo que nos foi ensinada  através da narrativa bíblica, tanto no AT, quando era aspergida através de um precioso óleo aromático composto por 12 especiarias sobre sacerdotes, reis, juízes e profetas, como pela própria presença do Espírito Santo no NT. A Unção do Espírito é um revestimento que todo o cristão recebe para o ministério e que o habilita para a vida cristã!  Em suma, o Espírito Santo, conduz a Igreja a toda a verdade (I Co 14:26), pois ele é o Espírito da verdade, ou seja é impossivel termos uma vida cristã plena sem a presença do Espírito Santo.


Att,

Pr. Orlando Martins
 
 
 

sábado, 17 de agosto de 2013

RECONHECEREMOS NOSSOS IRMÃOS NO CÉU?


Naturalmente que sim. Dentre muitos outros textos que afirmam esta verdade, citaremos: "Digo-vos que muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugar à mesa, com Abraão, Isaque e Jacó no reino, dos céus" (Mt 8.11); "E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com Ele" (Mt 17.3); "E quanto à ressurreição dos mortos, não tendes lido o que Deus vos de clarou: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó; Ele não é Deus de mortos, e, sim, de vivos", Mt 22.31-33. "No Hades ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão e Lázaro no seu seio", Lc 16.23. Abraão, Isaque e Jacó estarão em pessoa no reino dos céus e serão por nós reconhecidos. Moisés e Elias foram reconhecidos no monte da transfigu ração pelos apóstolos. Deus não é Deus de mortos, mas de vivos, o que indica que estaremos no Céu em nossos corpos glorificados. Ressurreição significa reviver o mes mo corpo, embora glorificado. O rico reconheceu Abraão e Lázaro. Se não nos reconhecêssemos no Céu, isto seria para nós contraproducente, pois o que almejamos é vermo-nos na Glória. Se no Céu houvesse inconsciência do passado, parece-nos que pouco adiantaria estar ali. O grandioso, o sublime é estarmos ali conhecendo o plano de Deus e vendo o cumprimento dele. Lá, sem dúvida, haveremos de conhecer em pessoa todos os heróis da fé que hoje co nhecemos pela Bíblia. Lá veremos os nossos irmãos junto aos quais lutamos neste mundo a boa peleja da fé.

Pr. Orlando Martins
Vice - presidente da AD Bom Retiro em Florianópolis
Jornalista, professor de teologia e palestrante
pr.orlandomartins@gmail.com

O CRISTIANISMO DA IGREJA PRIMITIVA E A ANÁLISE EXEGÉTICA DE ATOS 2:42

Por Orlando Martins  A comunidade nascente no dia de Pentecostes é um modelo de Igreja que vivia dentro da unidade do Espírito : Esta ...